ENG 🇬🇧
Rachael Rapinoe

Português

Rachael Rapinoe Fala sobre Cannabis, Empreendedorismo e Motivações

Por Javier Hasse

Rachael Rapinoe Fala sobre Cannabis, Empreendedorismo e Motivações

✍ 5 febrero, 2021 - 06:11

https://elplanteo.com/wp-content/uploads/2021/03/BANNERS-HEMP6.png

O CBD para atletas está em alta.

Contenido relacionado: Hablamos con la Futbolista Megan Rapinoe sobre Cannabis y Feminismo

Isso já é verdade há algum tempo na National Hockey League, na National Football League e até na Major League Baseball. Já no futebol era um cenário diferente.

Mesmo tendo demorado mais, a bola CBD finalmente chegou a este campo. E quem melhor para se arriscar ali do que a ex-jogadora profissional de futebol Rachael Rapinoe?

A californiana, atualmente sediada em Oregon, tem chutado forte no espaço da cannabis com sua marca CBD, Mendi.

11 minutos mais velha do que sua irmã gêmea Megan (a “deusa lésbica de cabelo rosa”, como ela a descreve) e, portanto, “mais uma OG”, Rachael finalmente despertou o interesse do futebol pelo CBD.

Embora não esteja claro por que esse esporte foi um dos poucos em que a cannabis e o cânhamo ainda não eram comentados, foi exatamente isso que deu a Rachel Rapinoe uma vantagem.

“Estamos empolgados em possuir o mercado de futebol aqui nos Estados Unidos com Megan, porque ele está completamente inexplorado”, diz o jogador.

Isso é o que lhes permitiu “realmente contar a história do CBD”, tanto abrindo a conversa quanto abrindo caminho suavemente para o espaço, sem arrepiar muitas penas.

Agora oferecendo uma linha de base sem THC e um espectro completo de linha Core <0,3%, Mendi é sem dúvida a marca CBD focada em esportes que você deve estar atento.

Sinta-se bem, faça bem

“Preocupo-me com o crescimento interpessoal”, diz a empresária, quando questionada sobre suas paixões.

Contenido relacionado: Rebobinar Para Avanzar: Futbolista Costarricense Rodney Wallace Comparte su Historia con el Cannabis

A R.R acredita que amar a si mesmo (que não é fácil e leva tempo) é o segredo do crescimento: uma vez realizado, sangra nas outras áreas da vida.

Somente quando estamos verdadeiramente em paz com nós mesmos, podemos ajudar uns aos outros a evoluir, porque, nas palavras do atleta, “nosso relacionamento com o mundo é um reflexo direto do relacionamento com você mesmo.”

“Eu aposto na igualdade”, acrescentou ela, “aposto na justiça social. Mas acho que você tem que dar um passo para trás nessas questões e aprender a amar a si mesmo, primeiro. E essa é a minha verdade. ”

Claro, o CBD atua em tudo isso: “Eu acredito em alimentar seu corpo de cima a baixo, da maneira mais saudável e natural possível”.

Como alguém que cresceu com a medicina ocidental e passou os dias jogando recebendo prescritos todos os tipos de pílulas que existem, Rachael Rapinoe sabe em primeira mão que a ajuda dada a ela não corrigiu nenhuma dor, nem a preparou para uma saúde de longo prazo.

“Não é nutritivo para o seu corpo”, afirma ela. Rachel Rapinoe também aponta como nossos corpos são realmente construídos para interagir com a planta de cannabis através do sistema endocanabinóide, “e não só isso, temos endocanabinóides naturais produzidos para alimentar esses receptores, mas como tudo mais, não produzimos o suficiente.”

Esse é basicamente o papel que a cannabis (CBD, THC e todos os outros canabinóides) desempenha.  “Precisamos de minerais e vitaminas extras e canabinóides extras para alimentar todos esses sistemas; Considerando que opioides, Tylenol e Advil, seu corpo não produz essas coisas, você realmente não precisa deles. ”

A educação é a chave para o crescimento

A maioria das pessoas que consumiu THC de qualquer maneira – especialmente comestíveis, teve a experiência desagradável de exagerar na dose, pelo menos uma vez.

Contenido relacionado: Isiah Thomas: De Campeón de la NBA al Champagne y el Cannabis

Claro, uma das muitas vantagens da erva é que você não pode ter uma overdose, mas um excesso de consumo de THC pode render alguns momentos realmente assustadores.

Rachael Rapinoe não é estranha a esse sentimento. “Já tive histórias de comestíveis em que peguei muito e pensei que fosse morrer. Todo mundo tem uma história assim, mas não é isso que define a cannabis. É só porque eu tinha uma falta de educação sobre a dosagem e não sabia quanto tomar. ”

Com base em suas próprias experiências, bem como nas de outras pessoas, Rachael Rapinoe sente que a educação é a chave para o amadurecimento da indústria da cannabis. No entanto, é extremamente difícil educar adequadamente os consumidores quando o espaço ainda é altamente restrito.

Nem a comunidade médica consegue financiamento suficiente para estudos controlados para ser capaz de “estudar com precisão os efeitos do THC, CBD, bem como dos outros mais de 100 canabinóides”, como diz o jogador.

“Precisamos de mais estudos para que possamos reunir toda a educação em torno da cannabis e sermos capazes de educar as pessoas sobre que parte da planta – ou que planta, cânhamo ou maconha – funciona melhor para elas.”

Quanto à normalização da cannabis no esporte, a relação com a anterior é uma equação bastante clara: ciência mais educação mais legislação é igual a mais e melhores produtos.

Produtos mais inovadores e sofisticados permitirão que a cannabis chegue a todos os espaços, incluindo esportes, onde é muito necessária.

No entanto, para que isso funcione, precisamos de “todas as mãos no convés”, diz ela. Isso significa que o governo federal, o FDA e as comunidades científica e médica terão que se envolver para fazer uma mudança real.

É a única maneira de obter informações suficientes para proteger o público e orientá-lo na direção certa para escolher o produto mais adequado para ele.

“Fumar sem corte é super nostálgico”, ela diz rindo. “Mas não vejo atletas fumando um baseado depois de um jogo … Você não precisa fazer isso, existem outras maneiras de consumir cannabis de forma mais eficaz “Acho que os atletas vão chegar a um ponto em que vão tomar um shake de proteína durante uma entrevista, que é infundido com canabinóides. […] É para onde essa indústria precisa ir.

Liderando pelo exemplo

“Minha abordagem é muito diferente da de Megan. Eu não sou tão falante e carismática, tenho uma mentalidade de colarinho azul. Arregaço as mangas, fico do lado mais silencioso e lidero pelo exemplo ”, diz a craque.

Contenido relacionado: Marihuana y Movimiento LGBTQAI+: ¿Es la Comunidad Cannábica Realmente Inclusiva?

Mendi não é apenas influente no espaço da CDB. A empresa busca defender a igualdade de gênero, tanto no futebol como em geral.

Por um lado, a empresa é quase totalmente feminina e liderada por LGBT +, o que já é uma façanha por si só.

Mas, além disso, suas porta-vozes são duas das atletas profissionais mais respeitadas em seus respectivos esportes: Megan Rapinoe no futebol e Sue Bird no basquete.

É por isso que a demografia de Mendi começou ligeiramente feminina. No entanto, está quase equilibrado neste ponto, diz Rachael.

“Nossa marca é neutra em termos de gênero e nossa linguagem é neutra em gênero. Queríamos apenas usar o primeiro ano para defender a igualdade e transmitir adequadamente ‘isso é quem somos, é isso que defendemos’, e estávamos chegando ao mercado intencionalmente investindo primeiro nas mulheres. Mas estamos muito empenhados em apoiar ligas e atletas masculinos, especialmente ligas masculinas carentes. ”

‘Fuel To Our Fire’

A diferença salarial em quase todos os setores não é novidade, nem a desigualdade de gênero nos esportes. Exceto, talvez, pelo tênis, as atletas femininas são muito mal pagas e pouco investidas.

Isso, é claro, realmente estimula essas mulheres confiantes: “O que torna isso irritante é que as pessoas querem argumentar que os esportes masculinos geram mais receita do que os femininos, e você não pode argumentar quando os esportes masculinos têm um ponto de partida de 160 quilômetros. O ponto de partida deles está muito à frente do feminino porque eles estão investindo há anos (…) então é claro que você não vai ver os mesmos resultados se estiver pela metade do seu investimento”.

Quando se trata de Mendi, o desejo de Rachael é que eles se tornem líderes na indústria: espalhar seu produto entre todos os esportes, todos os atletas e todos os funcionários.

Ao fazer isso, o objetivo não é apenas lançar a bola, mas abrir caminho para um cenário totalmente novo.

A estratégia para realmente trazer progresso social significativo é construir uma plataforma tão grande, empregando tantas pessoas, que a empresa possa monopolizar o mercado. “Mas da maneira certa”, como diz R.R.; para fazer o bem.

Contenido relacionado: Las Barreras a la Diversidad en la Industria de la Marihuana

“Para criar genuinamente uma cultura justa, equitativa e diversa para que todas as pessoas tenham sucesso. Queremos continuar defendendo questões em torno da igualdade e da equidade, tanto nos negócios quanto nos esportes. Nós realmente só queremos chegar a um lugar onde não haja limites para nós, onde as pessoas não possam nos dizer para ‘calar a boca e driblar’. (…) Então, teremos uma base forte o suficiente para pressionar outros líderes do setor a fazer melhor e mais. Este é o combustível para o nosso fogo.”

Traducido por Weederia

Foto de Megan Rapinoe por Jamie Smed, via WikiMedia Commons.



Javier Hasse

ACERCA DEL AUTOR

Javier, el co-fundador y CEO de El Planteo, es un escritor especializado en cannabis, cáñamo, CBD y psicodélicos. Actualmente se desempeña también como colaborador senior en Forbes EEUU y Director Ejecutivo en Benzinga Cannabis, una empresa de medios y eventos en los Estados Unidos, enfocada en cannabis, cáñamo, y psicodélicos manejando un equipo de más de 70 personas.

Su libro “Start Your Own Cannabis Business,” publicado en mercados angloparlantes por Entrepreneur Media, llegó al primer puesto de “Best Seller” en Amazon.

Como reportero premiado, ha publicado más de 5.000 artículos en medios masivos incluyendo Forbes, CNBC, Playboy, CNN, MSN, UOL, Entrepreneur Magazine, Yahoo Finance, MarketWatch, Houston Chronicle, The Street, Nasdaq, Yahoo, Morningstar, Benzinga, MERRY JANE, High Times, Leafly, DOPE Magazine, etc.

Javier también rankea en numerosas tablas Billboard por su participación en discos con RZA e Inspectah Deck de Wu-Tang Clan, Twista, Lil Windex, Riff Raff, Cyhi The Prynce, Yung Bleu, DJ Whoo Kid, Jonathan Hay, y otros.

También puede interesarte

Elecciones EEUU
canopy growth
canopy growth